Governadores determinam uso da PM para desobstruir rodovias federais; veja situação pelo país

Bolsonaristas contrários ao resultado das eleições fazem centenas de interdições ilegais em vias de todo o Brasil.

Por g1

Caminhoneiros bolsonaristas bloqueiam trecho da Rodovia Presidente Dutra, em Jacareí, no interior de São Paulo, na manhã do dia 1º de novembro de 2022 — Foto: Roosevelt Cassio/Reuters

Os governos dos estados do Rio de JaneiroSão PauloMinas GeraisRio Grande do SulParanáMaranhão Bahia determinaram que a PM atue para liberar as rodovias no país bloqueadas por manifestantes bolsonaristas que protestam contra o resultado das eleições de domingo (30).

O governo de Pernambuco, por sua vez, afirmou que vem atuando desde ontem em apoio à Policía Rodoviária Federal (PRF) e que as operativas da Polícia Militar estão sendo empregadas nesses trabalhos de garantia do fluxo em rodovias federais.

Já o governo do Acre informou ao g1 que não recebeu oficialmente a decisão da Justiça e que, portanto, ainda não acionou as forças de segurança estadual.

Nesta terça-feira (1º), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reiterou que as polícias militares dos estados são capazes de desobstruir rodovias federais bloqueadas e identificar, multar e prender os responsáveis.

Normalmente isso cabe à PRF, mas o STF determinou que as polícias militares têm “plenas atribuições constitucionais e legais para atuar” na questão.

Um balanço da Polícia Rodoviária Federal (PRF) divulgado em entrevista realizada no início da tarde desta terça indicou que havia 267 pontos de interdição ativos no país. O órgão também informou que 330 manifestações haviam sido desfeitas até 13h30 de hoje.

Segundo o g1 apurou, por volta de 13h40 havia mais de 470 bloqueios, somando rodovias federais e estaduais, em 22 estados e no Distrito Federal.

Em alguns locais, a PM chegou a usar bomba de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes, como ocorreu em Novo Hamburgo, na região metropolitana de Porto Alegre. No Rio Grande do Norte, houve uso de spray de pimenta.

Veja, abaixo, o que dizem os governos das unidades da federação que já se manifestaram sobre o uso da PM para desobstruir rodovias.

São Paulo

Em uma rede social, Rodrigo Garcia, governador de São Paulo, considerou os bloqueios nas rodovias paulistas inadmissíveis e disse que o MP e a PM foram acionados para que as vias sejam desbloqueadas.

“Bloqueio de estradas é inadmissível. As pessoas têm o direito de ir e vir”, afirmou Rodrigo Garcia, em postagem no Twitter.

Rio de Janeiro

O governador reeleito do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL) afirmou que deu ordem para que o Batalhão de Choque da Polícia Militar desobstrua as estradas, em apoio à Polícia Rodoviária Federal (PRF).

“É preciso respeitar o resultado das urnas; quem foi vitorioso precisa ter a tranquilidade de reunir forças e trabalhar pelo Brasil”, disse Claudio Castro, governador do Rio.

O governador é do PL, mesmo partido de Jair Bolsonaro.

Minas Gerais

Em Minas, o governador Romeu Zema (Novo) afirmou que a Polícia Militar vai auxiliar na liberação de rodovias estaduais e federais que estão fechadas no estado e disse que solicitou as forças de segurança que tomem as medidas necessárias. No entanto, ele ainda não detalhou quais serão as ações.

“Já solicitei às nossas forças de segurança que tomem as medidas necessárias para desobstruir qualquer via ou estrada que esteja interditada por manifestações. A eleição já acabou e, agora, nós temos que assegurar o direito de todos de ir e vir e também que as mercadorias cheguem onde precisa para não haver desabastecimento. Vamos cumprir a lei”, disse Zema.

Paraná

“A Polícia Militar do Paraná já está cumprindo a decisão do Supremo Tribunal Federal de desbloqueio das rodovias federais, estaduais e dos trechos urbanos. O direito de livre circulação no território nacional é uma garantia do povo brasileiro. É momento de pacificar o Brasil. As eleições de 2022 ocorreram de maneira democrática e a decisão soberana das urnas precisa ser respeitada”, disse o governo do Paraná, em nota.

Rio Grande do Sul

De acordo com o governo do estado, foi montado um gabinete de crise para monitorar os bloqueios. Por meio dele, se definiu que a Brigada Militar (a PM do Rio Grande do Sul) vai usar mil policiais dos Batalhões de Choque para auxiliar a PRF na desobstrução das rodovias federais. Após isso, o trabalho seguirá para as rodovias estaduais. A previsão é que todas as estradas estejam com o tráfego liberado até as 18h.

Pernambuco

Em nota, a Secretaria de Defesa Social de Pernambuco disse que, “em cumprimento de decisão judicial, está atuando desde ontem em apoio à Polícia Rodoviária Federal, responsável pela fiscalização, segurança pública e garantia do fluxo em rodovias federais”.

“As operativas vinculadas à SDS, a exemplo da Polícia Militar, estão empregadas nos trabalhos. Não há registro, até o momento, de interdições em rodovias estaduais”, complementa a nota.

Maranhão

O governo estadual disse que acionou a Secretaria de Segurança Pública (SSP) e afirmou que vai usar a Polícia Militar (PM) para atuar em todas as rodovias federais no Maranhão que estão bloqueadas.

A determinação já foi repassada pela SSP ao comando da PM, que articula a atuação mais efetiva dos policiais também no interior do estado, onde ainda haviam bloqueios nesta terça-feira (1º).

Bahia

O Governo da Bahia determinou a atuação das Polícias Militar, Civil, Técnica e Corpo de Bombeiros para desbloquear rodovias do estado.

“Vamos garantir a liberação das estradas. Não vamos permitir que alimentos, pessoas com enfermidades e trabalhadores sejam impedidos de se deslocar. O resultado democrático das urnas será respeitado. Aqui, na Bahia, o mais importante é o respeito à democracia”, afirmou o secretário da Segurança Pública do estado, Ricardo Mandarino.

Acre

O governo do Acre informou ao g1 que não recebeu oficialmente a decisão da Justiça e que, portanto, ainda não acionou as forças de segurança estadual.

Reportagem em atualização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *