Estilo moda Mundo

Egito aposta na moda e na cultura para reviver o turismo

Dos templos de Luxor às pirâmides de Gizé, os lugares míticos do Egito antigo servem de palco a concertos, desfiles de moda ou exposições, fazendo do patrimônio uma vitrine para renovar a imagem do país e atrair marcas de luxo. 

A marca de moda francesa Dior apresentou sua mais recente coleção nas pirâmides de Gizé no sábado. 

O presidente da Dior, Pietro Beccari, disse à AFP que a marca escolheu as pirâmides como “mais do que um pano de fundo” e se baseou na astrologia egípcia para sua coleção “Celestial”. 

Em outubro, o estilista italiano Stefano Ricci apresentou um desfile no Templo Mortuário de Hatshepsut, em Luxor. 

Antes disso, as bandas pop americanas Maroon 5 e Black Eyed Peas se apresentaram na Necrópole de Gizé, que recentemente recebeu uma exposição de arte contemporânea.

O moderno impulso cultural é uma nova direção para a imagem do Egito.

Potência cultural no mundo árabe, com cantores e estrelas de cinema extremamente populares, o Egito usa sua herança histórica para mais uma vez atrair a atenção global.

Um indício da nova apreciação da cultura e história antigas foi um “desfile dourado” no ano passado, com 22 faraós que atravessaram o Cairo, de um museu antigo para um novo, em um espetáculo carnavalesco. 

Foi parte do esforço do governo do presidente Abdel Fattah al-Sissi para reativar o turismo, que gera 10% do PIB do país e cerca de dois milhões de empregos, mas que foi afetado pela instabilidade política, pela turbulência econômica e pela pandemia do coronavírus. 

Apresentar a herança egípcia em um novo contexto “encorajará outras marcas internacionais e figuras culturais a virem ao Egito”, afirmou a historiadora de arte Bahia Shehab.

O mercado de artigos de luxo do Egito cresceu, apesar dos anos de turbulência econômica, nos quais sua moeda, a libra, perdeu metade de seu valor em uma desvalorização em 2016.

Apesar do declínio, existem 86 bilionários no Egito, segundo o banco Credit Suisse. “O 1% mais rico é suficiente para gerar demanda”, afirmou Ingy Ismail, consultora de várias marcas de luxo. 

As lojas nos shoppings das novas cidades-satélites do Cairo estão “à altura dos padrões das marcas internacionais de luxo”, disse Ismail. 

A bolha dos egípcios ricos ajudou a criar uma cena de estilistas locais cujos pioneiros chegaram às passarelas de Milão e Paris. 

Segundo Ismail, o mercado de roupas e joias de luxo “passou de menos de 100 marcas egípcias para mais de 1.000 hoje”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *