Brasil moda Mundo Notícias

Mais uma grande varejista entra em crise; dívidas passam de R$ 240 milhões

Crise nas varejistas: empresa entra em crise com dívidas que ultrapassam a casa dos R$ 240 milhões; entenda melhor o que aconteceu.

Mais uma das grandes varejistas do Brasil causou preocupação nesta semana ao anunciar que está enfrentando problemas financeiros com dívidas que chegam à casa dos R$ 244,5 milhões. 

Trata-se da Amaro, uma marca conhecida pela venda de peças de roupas. Segundo informações divulgadas pela Agência Estado, a varejista teria feito a solicitação de recuperação judicial, conseguindo mais tempo para negociar as suas dívidas com os seus credores.

Ainda de acordo com as informações divulgadas pela agência de notícias do Estadão, a varejista tem cerca de R$ 151,8 milhões em dívidas com instituições bancárias e aproximadamente R$ 92,8 milhões com fornecedores.

O que a varejista alega?

A crise envolvendo a Amaro parece não ser momentânea e parece que ainda deve chegar longe. Segundo informações divulgadas pelo Valor Econômico, a empresa estaria buscando compradores e já teria chegado a sondar o Mercado Livre para entender se eles teriam interesse em adquirir a marca.

Ainda de acordo com as informações divulgadas pelo jornal, a Arezzo (ARZZ3) e a Soma (SOMA3) também teriam sido procuradas, mas também não teriam demonstrado interesse em comprar a rede de lojas.

Mesmo buscando possíveis compradores, a Amaro estaria tentando se reestruturar financeiramente com o auxílio de consultores. Vale destacar que a empresa está seguindo um caminho similar ao da Marisa (AMAR3) e Tok&Stok, que também enfrentam dificuldades financeiras em meio a alta de juros. 

Recuperação judicial

Além do pedido de recuperação judicial, a companhia ainda solicitou que o pedido seja atendido de forma rápida, já que as ações que estão correndo contra a Amaro colocam em risco as atividades exercidas pela empresa, podendo levá-la à falência ou ao seu despejo.

No pedido, a Amaro pede que essas ações contra a empresa sejam paralisadas por ao menos 180 dias, para dar a ela possibilidade de se reestruturar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *